domingo, 29 de novembro de 2009

PAPAGAIO

A não ser que você tenha corrido atrás de seus desejos, a não ser que você tenha visto a inutilidade de correr atrás deles, tropeçar, cair e se machucar, você não será capaz de compreender. Somente através da experiência de desejar, o desejo se torna inútil. Esgote-o e ele cairá quebrado; e neste momento de ausência de desejos você compreenderá que aquilo que você tem procurado já aconteceu.

Do contrário, você ficará repetindo como um papagaio. Não fará a menor diferença se você for um papagaio hindu, ou um papagaio islâmico, ou um jaina, ou um cristão ou um budista; um papagaio é um papagaio. Um papagaio pode recitar a Bíblia ou o Corão. Um papagaio é um papagaio, ele continuará repetindo.

.

6 comentários:

Cida disse...

Creio já ter ouvido o que trascrevo abaixo e desculpo-me pela prolixidade, mas vale a pena:

"Tem dias que eu fico pensando na vida. E sinceramente não vejo saída
Como é por exemplo que dá pra entender. A gente mal nasce e começa a morrer. Depois da chegada vem sempre a partida. Porque não há nada sem separação....

Há algum tempo atrás escrevi:Hoje, tenho dúvidas, mas não permito ao passado e ao presente o meu direito de mudar. Ainda posso voltar à ativa e correr minhas ladeiras e subir minhas árvores. Enfrentar machucados. E me machucar sempre, pois é essencial.

Como dizia o poeta:
Quem já passou por essa vida e não viveu, Pode ser mais, mas sabe menos do que eu,Porque a vida só se dá pra quem se deu,Pra quem amou, pra quem chorou, pra quem sofreu

"Sei lá..A vida é uma grande ilusão
Sei lá..A vida tem sempre razão".

Beijo para você, Carlos.
Cida



Como dizia o poeta
Quem já passou por essa vida e não viveu
Pode ser mais, mas sabe menos do que eu
Porque a vida só se dá pra quem se deu
Pra quem amou, pra quem chorou, pra quem sofreu

angela disse...

Pois é...rsrs as vezes sou um papagaio com toda certeza, mas tento não ser.
abraços

A Moni. disse...

Intrigante. Inquietante.
Preciso refletir sobre desejos...rs

Abraço, Carlos!

Estrela disse...

Entendi.

Rener Brito disse...

Para Martin Heidegger, em sua investigação do ser: o ser para as possibilidades” mostra-se como “puro desejar”
Mas o que é desejo? É a falta de... Uma fome que nunca é saciada!?
Mas sempre junto com o desejo, vem a insatisfação como companheira inseparável.
Na ânsia desesperadora do desejo em si, existe uma trajetória cheia de incerteza crescente que corrói a alma, até se possuir o objeto do desejo.
Aí vem a pergunta! Como vencer este círculo vicioso?

Concordo com Sato Agustinho e tomás de Aquino quando mostra que:
“Deus é “quietude” de todo o desejo, intelectivo, volitivo ou sensitivo, porque é primeiro Princípio e Fim último”.

Diana Ramos disse...

Muito bom! Parabéns