segunda-feira, 2 de março de 2009

QUEM É REALMENTE RELIGIOSO?

"Crentes e descrentes, ambos são fanáticos"
.
.
.
.
Por milhares de anos você tem permanecido identificado com a mente, tem despejado muita energia nela. Ela segue girando e girando, por meses e anos. Mas se você conseguir permanecer um observador silencioso, um observador na colina, então pouco a pouco a energia, o momentum, é perdido e a mente chega a parar.

No dia em que a mente parar, você chegou. A primeira visão do que é Deus e de quem é você acontece imediatamente, porque uma vez que a mente pára, toda a sua energia que tinha permanecido envolvida com ela, é liberada. E essa energia é tremenda, é infinita: ela começa a descer em você. É uma grande bênção, é graça.

Os chamados revolucionários seguem fracassando porque eles continuam tentando dar um jeito nas mesmas coisas da mente. Alguém acredita em Deus e daí aparece um revolucionário que diz, 'Não há Deus algum e eu não acredito em Deus'. Mas ele é tão fanático com suas idéias como as pessoas que acreditam em Deus.

Crentes e descrentes, ambos são fanáticos. Uns se apegam ao sim e outros se apegam ao não, mas sim e não, ambos são partes da mente. Você escolhe uma parte e um outro alguém escolhe a outra parte. Um é cristão e o outro é hindu, mas ambos são mentes. Um escolheu a Bíblia e o outro escolheu os Vedas, mas ambos são partes da mente.

Então, quem é realmente religioso? Aquele que não fez escolhas a partir da mente. Você não pode chamá-lo cristão, nem hindu, nem comunista; você não pode chamá-lo teísta nem ateu. Ele simplesmente é. Ele é indefinível. Você não consegue rotulá-lo. Ser é tão vasto que não pode ser rotulado. Nenhuma palavra é adequada o suficiente para descrever o ser. Em tal vastidão, a liberdade; em tal vastidão, a felicidade.
.
.
.
.

5 comentários:

Erica Maria disse...

Sabe que qdo li esse texto, eu vi o meu noivo?

Ele é exatamente assim!!!

Bjs, boa semana!

:)

Carlos Bayma disse...

Quando li esse texto pela primeira vez, eu me reportei à adolescência quando era quase obrigado a ir à missa. Nunca vi sentido naquilo. Meu mundo era outro, mas não tinha palavras para descrevê-lo. Até que encontrei o texto...

sol1183 disse...

é legal ler esse blog. Adorei!!!

Gabriela Castro disse...

Muito interessante!
Adorei o blog :)
beijão

silvania disse...

Se a nossa alma pudesse dizer em palavras ao coração, diria bem assim:
Mente "mente", coração não!

Abç.. a todos do blog